Nadando em “Flow”

Nadando em Flow
Você já caiu na piscina e nadou como se não houvesse tempo e nem espaço, com alto nível de prazer e energia, consciente e conectado com cada movimento dentro d’água?
Então bem-vindo a essa “boa vibe”, chamada “estado de Flow”.
O estado de Flow é a completa imersão em uma atividade em si em que positivas alterações cerebrais e fisiológicas ocorrem. É um estado fluído que destina intrinsecamente ao reconhecimento de habilidades, consciência plena, comportamentos atléticos específicos, alto nível de energia, gratificação e de prazer. Sem que isso seja decidido antes da atividade ser realizada, ocorre sem propósito ou finalidade, mas simplesmente acontece!
Para que este estado aconteça com maior frequência na vida de um nadador profissional ou amador, é necessário treino de atividades que exijam empenho, desafios que possam trazer superações dos próprios limites (claro, que de forma saudável). Assim, a mente vai se adaptando a manter sua velocidade diminuta, concentrada e consciente dentro dessas experiências de maior intensidade e limites aumentados.
O nadador pode atingir um estado de Flow – seja em treino ou em competição, amador ou profissional – quando se depara com um conjunto de características simultâneas, tais quais: automotivação, foco intencional no momento presente, condicionamento físico e mental sincrônico frente aos estímulos apresentados dentro e fora da piscina. Considerando então, uma experiência ótima envolvida por movimentos, sensações, emoções e pensamentos como um estado fluido, de boa vibração.
Contudo, isso não implica numa performance ideal, planejada previamente e sem esforço. Se fosse assim, haveria apenas uma zona confortável de exercício que poderia manter o atleta em completo tédio ou relaxamento. Há de existir desafio, seja na piscina ou no mar. Fluir é diferente de relaxar. É performar com habilidades e desafios impostos, fazendo com que no caso, o nadador atinja seu fluxo em harmonia, produtividade e contentamento.
Desta forma, o atleta sabe que está dentro de um padrão que exige muitas vezes alta intensidade de esforço, mas ao mesmo tempo sente que executa com facilidade e concentração cada braçada, cada respiração, cada metragem. Como se o tempo distorcesse e tudo que ele sente é “querer ficar” imerso, absorvido dentro daquela experiência máxima, ótima, de entrega, da percepção aflorada ao toque da água na pele, dos sons dentro d’água, de total controle e consciência.
Postagem anterior
Próxima postagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *