Quais são os efeitos psicológicos de não treinar na quarentena, e como lidar com eles?

Há aproximadamente um ano, fomos surpreendidos com a COVID-19, que nos colocou em confinamento e isolamento social. Hoje, vivenciamos a segunda onda, e cá estamos isolados novamente. Nesse contexto, muitos atletas foram afastados das piscinas e das suas rotinas habituais. E como fica o aspecto psicológico dos atletas, sejam eles amadores ou profissionais, nesse momento?

1: Aumento do Estresse

O exercício físico é responsável por reduzir os níveis de cortisol, que é um hormônio relacionado ao estresse. Já a ausência de exercícios pode provocar o aumento do nível de cortisol e, consequentemente, do estresse. Além disso, fatores situacionais, como a exposição ao vírus e possível infecção, as dúvidas quanto ao retorno aos treinos e competições e as preocupações relacionadas à perda do desempenho esportivo também podem provocar o aumento do nível de estresse dos atletas.

2: Alterações Afetivas

Uma única sessão de exercícios propicia a produção de serotonina, dopamina e endorfinas, que são relacionadas à sensação de felicidade, prazer, relaxamento e bem-estar. Logo, a inatividade física pode provocar queda na produção dessas substâncias químicas e gerar desânimo, tristeza, fadiga e indisposição.

3: Desregulação do Sono

O exercício físico ajuda a regulação do sono, tanto em relação à qualidade quanto à quantidade. Já a ausência de exercícios pode ser um fator de risco para a insônia, isso é, para a dificuldade de adormecer e permanecer dormindo, o que pode gerar fadiga, alterações hormonais, sonolência, dentre outros efeitos.

Mas calma, atleta! Existem algumas atitudes que você pode adotar para lidar com tudo isso e minimizar os danos:

1: Mantenha-se ativo!

Estabeleça uma rotina e busque formas de manter-se ativo mesmo dentro de casa, assim, além de todos os benefícios físicos e psicológicos, o retorno aos treinos será mais fácil e seguro. Especialistas recomendam o treinamento de movimentos técnicos em casa, no entanto, no caso da natação, nem sempre há estrutura para esse tipo de treino. Assim, o treinamento dentro de casa pode envolver exercícios de força, potência, resistência muscular, preparação física geral e alongamento. Consulte o seu preparador físico sobre as possibilidades de treinos, e mesmo para emprestar alguns materiais e potencializar seus treinos em casa.

2: Concentre-se nas suas dificuldades físicas e mentais

Quais são as suas deficiências físicas? Mobilidade? Alongamento? E psicológicas? Manejo da ansiedade? Visualização? Concentração? Pois bem, aproveite o fechamento das piscinas e o adiamento das competições para focar nas dificuldades que antes você não tinha tempo suficiente para desenvolver.

3: Não negligencie os exercícios de fortalecimento

Por mais que você não esteja treinando com a carga e volume habituais, nem tenha seu treinador ou preparador físico para “pegar no seu pé”, não se esqueça ou negligencie a importância do fortalecimento. Separe um horário no seu dia para dedicar-se ao fortalecimento, e evitar possíveis lesões no futuro.

4: Medite ou use técnicas de relaxamento

Esse momento é uma ótima oportunidade para aprender a meditar e utilizar técnicas de relaxamento, não só para reduzir o estresse e a ansiedade no momento atual, como para aprimorar o seu desempenho futuro, em momentos pré-competitivos por exemplo, no qual a ansiedade pode ter grande influência. Além disso, a meditação ajuda a mantê-lo no momento presente, concentrando-se em coisas que estão sob seu controle hoje, e não fazendo “viagens no tempo”, ficando angustiado pelo passado ou ansioso pelo futuro.

5: Pratique a visualização

A visualização é uma técnica amplamente utilizada por atletas amadores e profissionais, e consiste em imaginar-se ou sentir-se executando determinada tarefa motora, como a sua saída, ondulações, virada, etc. Essa capacidade cognitiva permite que o atleta faça um esboço mental das ações motoras, sem realmente executar tais ações através da ativação muscular. Estudos indicam que a ativação das áreas cerebrais durante a visualização é semelhante à ativação que ocorre durante a execução da ação motora de fato. Isso significa que a visualização pode ser utilizada para aprender ou aprimorar determinadas habilidades, auxiliando a memória e a consciência corporal, bem como melhorar a concentração e a autoconfiança.
Viu só, como tudo depende da forma como você enxerga e avalia a situação, e que existem várias coisas a serem feitas e treinadas? Além disso, é uma ótima oportunidade para aprender outras habilidades, afinal, em uma competição, todas as variáveis estão sob seu controle? Ou você precisa resolver problemas, lidar com adversidades, tomar decisões e ser resiliente?

Referências:

Tayech, A., Mejri MA, Makhlouf I, Mathlouthi A, Behm DG, Chaouachi A. Second Wave of COVID-19 Global Pandemic and Athletes’ Confinement: Recommendations to Better Manage and Optimize the Modified Lifestyle. Int J Environ Res Public Health. 2020 Nov 12;17(22):8385. doi: 10.3390/ijerph17228385.

Postagem anterior
Próxima postagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *